Ômicron desacelera, e Pernambuco analisará dados para definir protocolos a partir de março


Com um cenário de desaceleração da variante ômicron, Pernambuco irá analisar os dados epidemiológicos para definir como ficarão os protocolos do Plano de Convivência com a Covid-19 para o período a partir de março


As atuais regras são vigentes até 1º de março e indicam, por exemplo, limite de capacidade em eventos de 500 pessoas em lugares abertos e de 300 participantes em locais fechados. Pernambuco não terá Carnaval – no período em que haveria a folia, festas estão proibidas no Estado.


De acordo com o secretário estadual de Saúde, André Longo, em coletiva de imprensa, nesta quinta-feira (17), apesar do registro de uma leve queda no total de casos, a situação ainda exige cautela. O Estado, acrescenta o gestor, está em um platô, um cenário epidemiológico de estabilidade, mas que tem patamares elevados.


“Neste momento, ainda temos mais de 800 pessoas internadas nos leitos de Srag (indrome Respiratória Aguda Grave) na rede pública. Estamos saindo da zona crítica de taxa de ocupação”, afirmou o secretário.


Longo demonstrou preocupação com o elevado número de óbitos: “As mortes costumam atingir o teto duas semanas após o pico de contaminação, mas seguem crescendo”, alertou, reforçando que os índices mostram que o Estado passou pelo pico da onda causada pela ômicron.


O secretário informou que, apenas com a análise dos números epidemiológicos da próxima semana, será possível traçar novos cenários dos protocolos. O anúncio de como ficará o Plano de Convivência deve ser feito, segundo o secretário, no máximo, até o dia 1º de março.


“É possível que haja relaxamento [das medidas]; vai depender dos dados que nós vamos colher nesta próxima semana. Apesar de uma nítida mudança de cenário para melhor, ainda estamos preocupados porque os números ainda são elevados”, destacou.


Na última semana, segundo dados apresentados por ele na coletiva, Pernambuco observou uma retração de 6,6% no total de casos de Srag – foram, no período, 829 casos, ante 888 da semana anterior. “Registramos, na semana passada, 629 solicitações por leitos de UTI. Embora sejam 39 a menos que na semana anterior, é um número bastante elevado”, explicou André Longo.


O secretário também lembrou que, apesar dos indícios de melhoras, há lotação alta em alguns hospitais e este não é o momento para “baixar a guarda”. “Precisamos ter cautela, especialmente para evitar aglomerações no período que se chama de Carnaval para evitar um recrudescimento no período sazonal”, apontou Longo.



3 visualizações0 comentário