Pipeiros protestam em frente ao 72 BI em Petrolina e cobram pagamentos atrasados



Pipeiros de municípios do Sertão de Pernambuco e da Bahia realizaram um protesto na manhã desta quinta-feira (17) em frente ao 72 Batalhão de Infantaria Motorizada (72 BIMtz), em Petrolina. Os motoristas cobram o pagamento de serviços prestados ao exército que estão atrasados. Muitos estão sem receber desde o final do ano passado. “Está sendo muito difícil, tem companheiros que estão sem receber desde novembro, gasta com pneu, borracheiro”, afirma o pipeiro José Nogueira, do município de Casa Nova, na Bahia.

Além dos pagamentos atrasados, os pipeiros também cobram o reajuste do quilômetro rodado, valor-base que recebem pelo serviço prestado. Segundo a categoria, há oito anos esse valor não sofre mudança. Ao todo, 24 municípios fazem parte da área do 72 BI e são atendidos pela Operação Pipa. Sem o pagamento dos trabalhadores, algumas comunidades também sofrem com a situação, pois ficam sem abastecimento de água. “Queremos uma resposta de alguém do comando do 72 BI. Estamos precisando saber onde está o erro”, diz o pipeiro Jânio Guimarães, da cidade de Santa Cruz, em Pernambuco. Na terça-feira (16), também houve manifestação dos pipeiros em outras duas cidades pernambucanas. Em Moreilândia, os trabalhadores se reuniram na PE 507 e no município de Parnamirim, o protesto foi realizado, na BR 316. Os trabalhadores reivindicam pagamentos referentes a serviços prestados na região. Em nota, o Ministério da Defesa, através do Exército Brasileiro, disse que o Ministério do Desenvolvimento Regional já havia informado que não está sendo possível realizar os repasses integrais e regulares para a Operação Carro-Pipa Federal porque o projeto de lei orçamentária anual – 2021- ainda não foi aprovado pelo congresso nacional. A nota também reforça que o Exército Brasileiro é responsável apenas pelas ações de execução da operação. Não foi dado prazo de quando a situação deve ser regularizada. Via Neto Gaia

0 visualização0 comentário