Por que está chovendo tanto? Entenda fenômeno de Ondas de Leste, que afeta cinco estados do Nordeste


Será que esta quarta-feira (01) será mais um dia de chuvas, alagamentos e transtornos em Recife? As precipitações tem relação com um Distúrbio Ondulatório de Leste (DOL), que também causa chuvas em Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe.


O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu, na quinta-feira (26), dois alertas para cidades desses cinco estados, um de nível amarelo, que significa perigo em potencial e chuvas de até 50 milímetros em um dia, e outro de nível laranja, que é de perigo e até 100 milímetros em 24 horas

A Agência Pernambucana de Águas e Clima explicou que região está no início do período chuvoso, quando são esperados sistemas que provoquem fortes precipitações.


Esse período vai até o fim de julho e, por vezes, até o início de agosto. Nos últimos dias, ocorreu um "resquício" de frente fria que veio do Sul do país e se juntou a um Distúrbio Ondulatório de Leste.


Os Distúrbios Ondulatórios de Leste, também chamados de Ondas de Leste, são perturbações no campo de vento e pressão que atuam na faixa tropical do globo terrestre, em área de influência dos ventos alísios, que se deslocam desde a costa da África até o Litoral leste do Brasil.


Na prática, o que ocorre é a formação de nuvens de chuva por causa da circulação de correntes de vento que vêm do continente africano, passam pelo oceano e chegam ao Nordeste do Brasil.


"A previsão climática realizada por todos os centros estaduais do Nordeste do Brasil, indicou que aqui, para a parte leste do Nordeste, a previsão é de que as chuvas, o acumulado para o trimestre de junho a agosto, fique acima do normal", disse.


Embora em menor intensidade que nos dias anteriores, a previsão é de que continue a chover na região, bem como na Zona da Mata, Agreste e Sertão, de acordo com a Apac.


"Se já é um período em que chove muito, com chuvas acima do esperado, espera-se que em alguns momentos nós tenhamos essas chuvas intensas também", explicou Aparecida Fernandes.


Este é o quinto dia seguido de temporais no Grande Recife, o que levou a Apac a emitir diversos alertas para temporais, incluindo, na quarta-feira (25), um aviso com nível máximo de atenção e risco.

Um homem morreu e três pessoas desapareceram. Nesta quinta (26), houve registro de alagamentos e moradores ilhados (veja vídeo acima).


De acordo com a meteorologista Aparecida Fernandes, ainda há previsão de chuvas nesta quinta.


"Hoje, ainda tem previsão de chuvas né mas aqui na Região Metropolitana e na Mata Norte. As chuvas devem ser de intensidade fraca e pontualmente moderada. Na Mata Sul, no Agreste e no Sertão já é de chuva de moderada. A Mata Sul ainda está um pouquinho mais forte, mas não há previsão de chuvas fortes como teve nos últimos dias", declarou.


Na quarta-feira (25), moradores ficaram ilhados, barreiras desabaram e foram canceladas atividades presenciais em escolas, universidades e serviços públicos no Grande Recife. Três pessoas foram soterradas em deslizamentos de barreiras em Olinda. Uma morreu e outras duas são procuradas pelos bombeiros em meio a escombros.

Ainda segundo Aparecida Fernandes, apesar de ocorrer um arrefecimento do volume de chuvas nesta quinta-feira (26) e na sexta-feira (27), é possível haver mais chuva forte no fim de semana.

"Os modelos já estão dando um indício de que no final de semana pode voltar a ter chuva forte novamente. Para hoje e para amanhã não tem previsão de chuva forte aqui para Pernambuco, mas, a partir do final de semana, pode ser que tenhamos ainda mais alguns dias de chuva forte", disse.

1 visualização0 comentário